Kangibrina

Bilionários por acaso? O car@l#o!

27 01.2011
Por Denis Zanini Lima [ postado às 4:47 ]

Se tem uma coisa que eu detesto do fundo do meu esôfago são essas matérias de revistas ou livros do tipo “Fique Milionário em 1 dia”, “10 Passos para Enriquecer” e “Como Conseguir 1 milhão antes dos 30 anos”, etc, etc, etc.

Se você acha que meu ódio está sedimentado na inveja, errou. Continuo tendo que vender a coxinha do almoço pra comprar a empadinha do jantar, mas meu orgulho permanece intacto, fazendo companhia ao hímen da Madre Teresa de Calcutá.

Minha ojeriza, na verdade, é oriunda da mentira que é usada como matéria-prima para confeccionar essas aberrações.

Tais reportagens e livros vendem (e são vendidos muito bem) a ilusão que é fácil ser milionário. Que basta ter uma ideazinha legal e sorte para estar com a vida feita.

Esse tipo de produto já existe há muito tempo. Porém, mais recentemente, o livro Bilionários por Acaso e o filme A Rede Social – que não é essa Coca Cola toda pra ter tantas indicações ao Oscar – é que estão sendo grande alavancadores desse pensamento turvo.

Eles estão fomentando o mito que Mark Zuckerberg, um dos criadores do Facebook, é um cara sortudo. Um geniozinho que nasceu com o rabo virado pra lua.

Bullshit.

Veja: não vou entrar no mérito de quem roubou a idéia de quem. Se o menino prodígio traiu seu amigo Eduardo Saverin ao tirá-lo do comando da empresa. Deixo esse assuntos para os advogados das partes se entenderem.

O fato é que ninguém fica rico, milionário ou bilionário por acaso.

É preciso ralar. Estudar muito. Ser ousado. Pensar diferente. Fazer networking. Atropelar os concorrentes. E acima de tudo: acreditar no seu potencial.

Quando o Facebook era só uma promessa, Zuckerberg recusou duas propostas milionárias para vendê-lo. Quando o mais lógico parecia ser vender anúncios no site, poluir a tela com milhares de banners, ele achou melhor esperar, até encontrar a melhor maneira de ganhar dinheiro com o site (benditas sejam as vaquinhas do Farmville!).

Pra quem ainda ainda não está convencido, recomendo a leitura da ótima coluna do Elio Gaspari, do último domingo, que aborda o livro “Efeito Facebook”, que parece analisar a história do site de relacionamento com mais neutralidade e menos sensacionalismo.

E, antes de encerrar, vamos combinar de uma vez por todas. Só tem um jeito de você ficar rico por acaso. Acertando na loteria. Só. O resto são derivativas e combinações de tudo que eu citei acima. Mesmo se você enriquecer via roubo não será por acaso. Você vai ter que planejar e executar a ação muito bem pra não acabar indo pro xilindró.

Certo, malandrão?

PS: Já que falamos em Facebook, não esqueça de clicar no botão Curtir, se você gostou deste post.