Kangibrina

Os melhores programas dos piores horários da TV

24 06.2010
Por Denis Zanini Lima [ postado às 0:03 ]


Achar um programa decente de TV é um grande exercício de garimpagem.

Você fica horas peneirado cascalho com o controle remoto para (quiçá) descolar umas pepitazinhas de ouro.

Mas não é que com um pouco de paciência dá pra achar umas preciosidades escondidas nos horários mais obscuros?

Uma delas é Bullshit, programa apresentado pela dupla Penn & Teller, nas madrugadas de quinta(0h) no canal FX.

Os dois mágicos (sim eles ganharam notoriedade fazendo apresentações de mágica na TV) desta vez deixam de lado os truques e tiram da cartola uma artilharia verbal pesada, nada politicamente correta.

A atração segue um estilo pseudodocumental. Os dois aparecem impecavelmente vestidos, trajando terno e gravata, introduzem o tema, entra o VT com trechos dos entrevistados e daí…sai de baixo.

Com um pH humorísto nível 1 os caras não poupam ninguém: escoteiros, garotas de programa, ufólogos, religiosos, políticos, teóricos da conspiração, nerds, esotéricos, adoradores de cachorros, ecologistas…

Todos são democraticamente execrados, o que torna o programa crítico, inteligente, divertido, visceral e não recomendado para os intelectos mais sensíveis.

Outra atração imperdível é Head Case, do GNT.

A sitcom passa-se no consultório da terapeuta Elisabeth Goode, especializada em atender celebridades.

O grande barato é que as estrelas participam representando-se a si mesmas. E a Dra. Goode não é freudiana muito menos jungiana, é, isso sim, masoquista, sacana e esquisofrênica. Adora fazer seus clientes sofrerem.

Jason Priestley (o Brandon, da primeira versão de Barrados no Baile), coitado, foi convencido pela terapeuta que era gay e para que ele se acostumasse à idéia sugeriu que começasse usar batom, peruca e vestido.

Já passaram pelo divã da psicóloga Jerry Seinfeld, Hugh Hefner, Macy Gray, Ralph Macchio, Alanis Morrissette entre outros.

Muito bom. Passa às segundas, 0h.

E não pensem vocês que o nosso Brasil varonil não está representando no creme de lá creme dos horários obscuros.

O glorioso Comédia da Vida Privada, reprisado pelo Canal Viva (aliás, reprise e Canal Viva são termos redundantes), faz bonito e enche nosso peito verde e amarelo de orgulho.

A série, deliciosa, comprova mais uma vez como o texto do Veríssimo é fabuloso, universal e atemporal.

Com exceção dos cortes de cabelos, roupas e eletrodomésticos, daria para dizer sem medo de errar que a série foi feita agora.

Além do ótimo roteiro o programa traz uma seleção de atores em sua melhor forma, como Marco Nanini, Andréa Beltrão, Diogo Vilela, Fernanda Torres, Paulo Betti, Giulia Gam e Pedro Cardoso.

É só sintonizar o canal domingo, 0h, pra rir com toda essa gente.