Kangibrina

Eu leio o Cangibrina

17 03.2010
Por Denis Zanini Lima [ postado às 15:58 ]

“Nunca antes na história deste país houve um blog tão bom como o Kangibrina. Assim como eu, ele tem um alto índice de aprovação. E porquê, o companheiro deve estar se perguntando? Porque ele não tem rabo preso com as elites, não fica fazendo marolinha. Ele fala a verdade, fala a lingua do povo, que o trabalhador brasileiro entende. O Kangibrina é como aquele jogador de futebol arisco, raçudo, que dribla, vai pra cima dos zagueiros e faz o gol. Seja aqui ou no exterior dedico uma boa parte do meu tempo para apreciar o Kangibrina. E a Dilma já está tomando gosto pela coisa.

O Presidente”

Resposta: Grato, meu caro Barba,

A gente é pobre mas é limpinho. Vê se não esquece da gente quando for fazer a festa junina da Granja do Torto este ano, hein?

O Ébrio

Obs: os depoimentos aqui publicados são inverídicos, caluniosos e mal-escritos, frutos da imaginação doentia do autor. Portanto, não servem como prova no tribunal.

Eu leio o Kangibrina

03 02.2010
Por Denis Zanini Lima [ postado às 11:18 ]

A cada dia me surpreendo mais com a audiência qualificada desse blog. Dêem uma olhada abaixo de quem recebemos um carinhoso depoimento. Alô, alô, multinacionais, ninguém se habilita a patrocinar esse bagulho?

“Vou falar a real: descobri o blog meio por acaso. Estava navegando na net, procurando umas baladinhas maneiras para ir aqui no Rio, mas não encontrava nada legal. Daí joguei “cangibrina” no Google e vim parar aqui. Fiquei boladasso no início, porquê não tinha nada sobre birita. Pensei: ‘Pô, tão me sacaneando. Qualé, meu irmão? Eu sou o imperador’. Até que o Pet me explicou que, apesar do nome, o Cangibrina não era um site de goró. Ele fala sobre cultura, publicidade, essas paradas estranhas. Mas até que é maneiro, né? Vou indicar pro meu amigo Vagner.

Adriano”

Resposta: Caro Imperador,

Grato pela audiência. É sempre bom receber elogios de um companheiro de copo. Quando estiver na África do Sul, não deixe de nos visitar.

O Ébrio

PS: Aproveita e manda seu amigo Vagner tomar no meio do cu.

Obs: os depoimentos aqui publicados são inverídicos, caluniosos e mal-escritos, frutos da imaginação doentia do autor. Portanto, não servem como prova no tribunal.

Eu leio o Kangibrina

22 01.2010
Por Denis Zanini Lima [ postado às 4:50 ]

Que surpresa! Vejam quem também é fã confessa do Kangibrina:

“Tudo neste blog me irrita. O nome me irrita. A diagramação me irrita. Essas cores demodês me irritam. As fotos me irritam. Os textos então nem se fala. São piegas e supérfluos. Quem os escrevem? Os redatores da Bianca? Continuando: a cara de babaca do autor me irrita. Seu pretenso humor inteligente me irrita. A reiterada menção ao futebol me irrita. Enfim…Como vocês puderam perceber sou viciada nesta merda. E isso me irrita pacas. Deixo o Alexandre escrevendo e passo o dia inteiro navegando no Kangibrina.

Fernanda”

Resposta: Minha cara coelhinha,

Você também me irrita paracaraleo. Mas como eu adoro Os Normais ficamos quites.

O Ébrio

Obs: os depoimentos aqui publicados são inverídicos, caluniosos e mal-escritos, frutos da imaginação doentia do autor. Portanto, não servem como prova no tribunal.

Eu leio o Kangibrina

28 10.2009
Por Denis Zanini Lima [ postado às 12:34 ]

Todos os dias recebo milhares e milhares de mensagens de fãs do Kangibrina.

De anônimos a personalidades (vivos e também falecidos, acreditem), todos querem manifestar seu apoio a este baluarte da mídia do terceiro milênio.

A partir de agora selecionarei as mais interessantes para publicar aqui no Kanja.

Começando com uma mensagem muito carinhosa do meu amigo Woody.

Dear Denis,
Woody

Seu blog é magnifíco. Magnífico. Quem me indicou foi o Martin (nota do redator: Martin Scorcese, cineasta). Gosto muito do seu estilo de humor. Suas observações sobre cinema são perfeitas. Se der certo o projeto de filmar aí no Brasil será uma honra conhecê-lo pessoalmente.

Best regards,

Resposta: A honra será minha, Woody. Mas fique distante da minha irmã caçula, ok?

O Ébrio

Obs: os depoimentos aqui publicados são inverídicos, caluniosos e mal-escritos, frutos da imaginação doentia do autor. Portanto, não servem como prova no tribunal.