Kangibrina

Porque Pelé é rei também no campo da propaganda

16 06.2010
Por Denis Zanini Lima [ postado às 22:55 ]


 

Pelé não é Pelé “simplesmente” por ter feito 1283 gols e por ter se sagrado pentacampeão do mundo (três vezes pela seleção canarinho e duas pelo Santos).

O eterno camisa 10 do Brasil consegue perdurar até hoje sua mística de melhor boleiro do planeta por saber administrar como ninguém sua imagem.

Suas tabelinhas com as agências de publicidade costumam ser brilhantes.

Ok. Vira e mexe o cara se mete em polêmicas por dizer besteiras.

Mas daí ele culpa o Edson e tudo fica bem.

O importante é que quando sua imagem é associada a algum produto ou evento ele faz questão de ser retratado com a pompa e circunstância de um rei.

De quem é um mito e não aceita vincular sua marca a outra por qualquer migalha.

Na maiora das vezes ele não erra.

Pra essa copa, por exemplo, ele está estrelando filmes para a Sky, a Mastercard e a Vivo.

Três gols de placa. Todos são de excelente qualidade.

No da Sky ele relembra de forma bem humorada – ao lado de Gisele Bündchen – um de seus lances mais célebres.

No do Mastercard (que abre este post) ele é a figurinha rara que o filho presenteia o pai para completar o álbum da seleção de 1970.

E no da Vivo ele é simplesmente… Deus.

Aí é que mora a diferença entre Pelé e os outros jogadores, no campo da propaganda.

Ronaldo, Cafu, Marcos e Romário também são craques. Personalidades do mundo da bola.

Contudo não têm sabido administrar suas imagens na publicidade e, gradativamente, vão se deixando retratar de forma comum, sem zelo.

Considero os comerciais que atualmente protagonizam grosseiros, desrespeitosos às suas brilhantes trajetórias futebolísticas.

Ronaldo é o maior artilheiro da história das Copas e eleito duas vezes o melhor jogador do mundo.

O cara merece ser utilizado dessa forma chinfrim pela Bozzano?

E o que dizer de Cafu?

O recordista de jogos pela seleção fazendo papel de mecânico?

E o Marcão? Campeão do Mundo em 2002 e maior ídolo da torcida palmeirensene cantando em comercial de pneu?

Já Romário acabou fazendo propaganda da Kaiser (será que ele ficou com dor de cabeça?) e consolidando sua imagem de malandro botequeiro, mesmo que o baixinho não tome cerveja ou qualquer outra bebida alcóolica.

Esses caras precisam tomar cuidado e contratar um bom agente que cuide de suas imagens. Pra não acabarem estigmatizados como Gerson.

É por essas e por outras que Pelé continua sendo Pelé.

Ele não se rebaixa. Faz questão que sua imagem permaneça soberana.

E eu – mesmo sem tê-lo visto jogar – sei que ele é o melhor do mundo.

E se alguém duvidar há uma série de comerciais para provar…